Alchimia, ou os desafios financeiros de expor média-arte digital

Para o final da parte lectiva do meu doutoramento entendi desenvolver um artefacto que unisse duas das disciplinas: “Sensores e Actuadores” e “Programação Criativa”.

IMG_7692Para isso criei uma base de arte gerativa, utilizando Processing, com um conjunto de linhas geométricas desenhadas no espaço tridimensional bem como uma representação de imagens bitmap cujos pixels eram transformados em vectores (quadriláteros), também eles em evolução no espaço tridimensional. Todo o conjunto era comandado por uma bateria de sensores (de proximidade, através de ultrassons, de luminosidade e de posição/tilt). Propus demonstrar esta instalação na Bienal de Cerveira, sendo que, para além do dispositivo que agregava os sensores, juntamente com um micro-controlador Arduino e mais alguns actuadores (vários tipos de LED), eu não dispunha do restante material – computador e monitor de grandes dimensões.

Este monitor deveria ser colocado entre duas telas (de 1m x 1m), pelo que a sua altura deveria ser idêntica à das telas. Apesar dos (grandes) esforços levados a cabo por alguns colegas (em particular o Mário Dominguez, a quem ficarei sempre grato), não se conseguiu providenciar aquele material, e assim o sistema foi demonstrado com recurso a um portátil Toshiba com écran de pequenas dimensões, o que penalizou a sua concretização e impacto.

A Alchimia baseia-se no conceito de “laboratório alquímico” medieval, mas actualiza-o e transporta-o para os nossos dias. A alquimia era a “ciência” da transformação, da metamorfose, procurando o elixir da vida eterna e a pedra filosofal, e ainda a transformação de metais em ouro. Contudo os seus princípios eram sobejamente metafóricos, e visavam sobretudo a transformação interna do Homem, a sua evolução e metamorfose num ser evoluído, superior. Esta Alchimia procurava sobretudo o lado lúdico/mágico de influenciar alterações na imagem através da interacção maioritariamente sem toque com um sistema informático (a imposição das mãos sobre os sensores de proximidade são uma alusão clara ao lado mais fantástico do nosso imaginário). Contudo o conceito perdeu o seu impacto em larga escala porque a minha postura naif de que a organização providenciaria “magicamente” as condições técnicas necessárias se revelou desastrosa. O que significa que eu deveria ter efectuado um investimento significativo para obter aquele equipamento por meios próprios ou através de apoios ou patrocínios – o que, atendendo a que a minha carreira artística em média-arte digital ainda nem se tinha iniciado nessa altura, era, convenhamos, impossível.

DSC_9177-2A segunda apresentação do projecto Alchimia foi agendada para a inauguração do espaço INVITRO. Durante os meses que mediaram a exposição em Cerveira e a inauguração do INVITRO a Alchimia – fazendo jus ao nome – transformou-se. Passou a apoiar-se não em sensores externos, mas na câmara integrada do próprio computador (ou uma webcam), deixou de utilizar apenas imagens pré-definidas para através de reconhecimento facial detectar e usar o rosto de quem quer que estivesse perante o sistema, e passou a utilizar música gerada em tempo real com recurso a samples de ritmos tribais e electrónicos de todo o mundo. O objectivo centrou-se na metamorfose do rosto, na experiência de nos reconhecermos no “outro”, de sermos o outro, e de o fazermos através de uma condução hipnótica, tântrica, induzida pela música. Foi introduzida ainda uma vertente textual de provocação, para motivar a alteração das expressões faciais, e consequentemente dar maior riqueza às imagens geradas.

As condições existentes na sala colocavam à minha disposição um Mac mini, apenas com um processador de baixa capacidade, e um projector de vídeo. Contudo, o software da Alchimia é (cada vez mais) exigente em termos de cálculo, e as experiências que realizei em máquinas mono-processador foram decepcionantes. A dias da inauguração decidi adquirir pelos meus meios um equipamento HP AIO e nele instalar (com sucesso) a Alchimia. Investi cerca de 1000€ nesse equipamento, cujo único propósito é o de expor uma obra de arte, sem quaisquer expectativas de retorno. De onde se conclui que a média-arte digital é altamente elitista do ponto de vista financeiro, contribuindo para um fosso maior no chamado “digital divide”.

Ao longo dos meses seguintes a obra foi exposta/activada novamente em várias ocasiões, e em todas elas tive a oportunidade de, através da observação na edição anterior, introduzir melhorias e optimizações, que de outra forma teriam sido praticamente impossíveis de detectar.

Como conclusão saliento a importância de iterar o processo criativo conjunto artista/obra/audiência, de o analisar, corrigir e/ou melhorar através da observação das reacções e da comparação das mesmas com o objectivo inicial, bem como a descoberta de novos caminhos propostos por essas mesmas reacções.


Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *